Foge Foge


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Relatório transmite "de uma forma muito clara as grandes dificuldades" da GNR

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

ritandrade


AdminFuga
AdminFuga
A Associação dos Profissionais da Guarda considera que o relatório de actividades da GNR de 2010 transmite "de uma forma muito clara as grandes dificuldades" com que a GNR se confronta.

O presidente da APG, José Manageiro, disse à agência Lusa que "as dificuldades de serviço e de motivação" dos militares estão "reflectidas" no relatório que o comando geral da Guarda Nacional Republicana elaborou.

Segundo o documento, a GNR ficou a dever 5,5 milhões de euros à Caixa Geral de Aposentações (CGA) em 2010, num ano em que 93 por cento do orçamento se destinou a despesas com pessoal.

Para o representante da maior associação profissional da Guarda, "não se pode manter o funcionamento com níveis de excelência", numa instituição com "um orçamento miserabilista e com meios de elevado nível de degradação".

José Manageiro considerou que tais condições "comprometem, em algumas circunstâncias, a qualidade dos serviços prestados aos cidadãos e as próprias condições de trabalho dos militares".

O presidente da APG adiantou que a dívida à CGA resulta das alterações estatutárias, em que a responsabilidade do pagamento dos militares da reserva passou a ser da GNR durante cinco anos.

O relatório indica também que a grande maioria dos carros tem entre seis e 16 anos, o que "dificulta de sobremaneira o serviço a desempenhar".

José Manageiro referiu que estava previsto na Lei de Programação de Instalações e Equipamentos das Forças de Segurança aprovada na Assembleia da República um "quadro de investimento que não se produziu".

"A lei não teve execução. Se tivesse tido execução, a GNR não tinha os problemas que hoje têm ao nível dos salários, das condições de trabalho e ao nível da capacidade operacional", sustentou.

Sobre as missões internacionais, o presidente da Associação dos Profissionais da Guarda afirmou que é uma questão que "só o poder político pode resolver", acrescentando que a APG "sempre manifestou grandes reservas".

Segundo o documento, a participação da GNR em duas missões (uma força destacada em Timor-Leste e outra na Bósnia-Herzegovina, que terminou no ano passado) exigiu "um grande esforço humano, a par de um esforço financeiro e material assinalável, que por força das limitações orçamentais obrigou ao desvio de fundos destinados ao orçamento de funcionamento".

jn



Já alguma vez te doeu o coração?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum