Foge Foge


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Condutora “sem arrependimento” condenada a três anos de cadeia

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

PatriciaCaramelo.


Master Fuga
Master Fuga
Dois crimes de homicídio por negligência (de duas mulheres de 20 e 57 anos), e um crime de ofensa à integridade física (da mãe da vítima de 20 anos) cometidos a 2 de Novembro de 2007 no Terreiro do Paço em Lisboa, dados ambos como provados. Perante este cenário “de grau de culpa muito elevado”, o colectivo de juízes não teve hoje quaisquer dúvidas em condenar a psicóloga Maria Paula Benevides Dias, de 37 anos, a três anos de prisão efectiva, e à pena acessória de um ano de inibição de condução, pela autoria do atropelamento que provocou o trágico desfecho.

Ao longo de cerca de uma hora, o acórdão descreveu a arguida como uma mulher “que não mostrou quaisquer sinais de arrependimentos”, e deu até sinais “de indiferença face ao sofrimento humano que causou com as suas acções”. “Ficou provado que o Fiat Punto conduzido pela arguida, circulava a uma velocidade entre 111 e 122 km/h, superior em 81 km/h ao máximo permitido na via onde ocorreu o acidente (Avenida Infante D. Henrique, em Lisboa)”, consideraram os juízes. Durante o depoimento que prestou, Maria Paula Dias assegurou que, no momento do embate, não conduzia a uma velocidade superior a 50 km/h.

Eliminada logo à partida pelos juízes ficou a “desculpa” dada pela psicóloga de que o carro teria defeitos mecânicos. “A viatura estava nas mãos da arguida há cerca de quatro anos, fora inspeccionada recentemente, e não foram provadas em tribunal quaisquer falhas mecânicas que tenham potenciado o acidente”.

Ao invés, deliberaram os magistrados, “o que provocou o trágico desfecho de duas mortes e uma ferida grave foi a extrema falta de cuidado da condutora, e o seu desrespeito pelas mais elementares regras estradais”.

Apesar disso, sustenta o acórdão, a prática dos crimes absorve a alegada prática das contra-ordenações ao código da estrada pelas quais a arguida também vinha acusada, e das quais acabou absolvida.

Assim, Maria Paula Benevides Dias acabou por ser condenada a dois anos de cadeia por cada um dos dois crimes de homicídio por negligência, e a um ano de prisão pelo crime de ofensas à integridade física qualificadas. Em cúmulo, uma pena de três anos de cadeia.

Paulo Camoesas, advogado da arguida, mostrou vontade de recorrer da pena para o Tribunal da Relação. “Não me surpreende a pena de prisão aplicada, tendo em conta o desenrolar do processo, e a mediatização do mesmo”, defendeu. Já Ferreira da Conceição, advogado da família de duas das vítimas do acidente, mostrou “aceitar o acórdão”, discordando, no entanto, “que o caso possa ser visto como um exemplo”.

midomiguiedaNÉ


Master Fuga
Master Fuga
Vi hoje na tv esta noticia o.o

miguelf


Master Fuga
Master Fuga
Eu tambem xD

Rasn


Fuga Power
Fuga Power
Ainda por cima era psicologa, uma pessoa destas sem moral nenhuma -.-''

tiagomoura


AdminFuga
AdminFuga
.Mii escreveu:Vi hoje na tv esta noticia o.o




--------------------------------------
Melhor Amiga, MM *

gαвriєl✖ Bєατbσx


Fuga Power
Fuga Power
Tambem já tinha visto :D

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum